17-12-18- Lama Cirúrgica: testemunha diz que ossos eram encontrados em material cirúrgico reaproveitado

17-12-18- Lama Cirúrgica: testemunha diz que ossos eram encontrados em material cirúrgico reaproveitado

Por G1 ES

Uma pessoa que trabalhava em uma empresa acusada de participar do esquema alvo da Operação Lama Cirúrgica e que colaborou com a investigação, declarou que cirurgias eram interrompidas porque ossos eram encontrados em materiais cirúrgicos reaproveitados e instrumentos descartáveis eram lavados com detergente.

O técnico de enfermagem contou detalhes de como agia a quadrilha que reutilizava materiais cirúrgicos descartáveis para novos procedimentos. A suspeita é de que ao menos 52 cirurgias tenham sido realizadas com esse material.

“As empresas de plano de saúde cobram e você coloca em folha de sala como se fosse nova. Mas o material que eles usavam eram esterilizados e reutilizados. A gente também era responsável por lavar os materiais nos hospitais, que não era feito de forma correta. Tem muitos hospitais que lavam o material, pasmem, com detergente que as pessoas lavam o copo em casa”.

De acordo com a testemunha, o esquema uma empresa que fazia esterilização de materiais com óxido de etileno começou a esterilizar também materiais descartáveis. O homem relata que já presenciou cirurgias sendo interrompidas por problemas em instrumentos reutilizados.

“Muitas cirurgias são canceladas porque tem osso dentro de cânulas (tubos feitos de plástico, borracha ou metal usado para injetar medicamento ou para respiração do paciente). Muitas cirurgias são canceladas por ter material sucateado”, relata.

Vida destruída

 

Após as denúncias feitas pelo homem, ele declarou que tem recebido ameaças de morte e decidiu mudar de estado.

“Já fui ameaçado e já tentara me matar. Já fiz denúncia e boletim de ocorrência. Também recebia telefonemas. Estava tranquilo em casa e tinha que juntar a minhas coisas e sair correndo”, declara o homem.

Com a primeira audiência do caso iniciada na manhã desta segunda-feira (17), o homem cobra justiça pelos pacientes operados com material irregular e espera que empresas e médicos responsáveis pelo esquema sejam punidos.

“O que me levou a denunciar o caso é que quando você tem responsabilidade não pode ser conivente com a situação. A minha vida está acabada! Eu não desejo para ninguém isso que eu estou passando. Eu já fui ameaçado e já tentaram me matar em praça. Eles têm que pagar o erro que fizeram”.

 

Lama Cirúrgica

 

A investigação apura fraudes na utilização de material cirúrgico por médicos e empresários em pelo menos 52 cirurgias. O médico ortopedista Rodrigo Soares está preso e outros oito respondem em liberdade.

As investigações da Polícia Civil apontaram que um dos produtos que deveriam ser usados apenas uma vez foram reutilizados 2.536 vezes.