Governo brasileiro pede desculpas oficiais por assassinato em MT.

Marcos Lemos, especial para o GD

O pedido foi entregue oficialmente ao Governo da Guiné Bissau na ONU e uma Nota Oficial foi veiculada na página do Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores. O embaixador Antônio Patriota foi quem manifestou o pesar pelo brutal assassinato do estudante Toni Bernardo da Silva em nome da presidente Dilma Rousseff e como Mato Grosso não tem relações diplomáticas com o Guiné Bissau coube ao Ministério fazer as vezes como representante do Estado Brasileiro.

O governador Silval Barbosa (PMDB) manifestou sua indignação e reafirmou a determinação do Estado em punir todos os responsáveis, não apenas por este brutal assassinato, mas  também pela elucidação de outros crimes cometidos ao longo do ano de 2011.

A nota oficial do Governo do Brasil foi a seguinte:

O Governo brasileiro lamenta profundamente a morte do estudante Toni Bernardo da Silva, natural de Guiné-Bissau, ocorrida em 22 de setembro, em Cuiabá, no Mato Grosso.  O estudante veio ao Brasil como bolsista de programa de intercâmbio oferecido pelo Governo brasileiro a jovens de vários países africanos.

 O Ministro das Relações Exteriores, Antonio de Aguiar Patriota, apresentou pessoalmente, hoje, em Nova York, ao Embaixador Adelino Mano Queta, Chanceler em exercício e futuro Ministro da Justiça de Guiné-Bissau, em nome do Governo brasileiro, pedido de desculpas pela violência cometida contra o estudante bissauense, e informou que as responsabilidades pelo crime serão devidamente apuradas.

 O Governo brasileiro manifesta condolências à família do estudante e reitera seu repúdio a toda forma de violência.

 A embaixadora do Guiné Bissau no Brasil, Eugênia Saldanha Araújo informou que "Missão Diplomática está em curso com diligências junto das autoridades brasileiras para que o caso seja apurado, elucidado e os responsáveis punidos.

Toni Bernardo da Silva teria se envolvido em discussões com um empresário e dois aspirantes a Oficiais da Polícia Militar e fou brutalmente espancado até a morte. O caso comoveu as autoridades estaduais e do Brasil que exigem uma rápida apuração dos fatos, que acabaram constrangendo a presidente Dilma Rousseff na ONU.

Os aspirantes a oficial da Polícia Militar de Mato Grosso já se encontram presos no Comando Geral da instituição aguardando a conclusão das investigações. Provavelmente eles serão expulsos e julgados por homícidio doloso. Já quanto ao empresário, as investigações estão sendo conduzidas pela Delegacia de Homicidios - DHPP.

 

Por: Ivone Lima

Pontaldoaraguaianews.com

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário