26-11-2011-Universidade terá de pagar R$ 81 mil a estudantes.

Da Redação - Lucas Bólico

O ano de 2011 está no fim, mas uma turma de 27 acadêmicos de São Félix do Araguaia (1.200 km de Cuiabá), que deveria ter se formado em 2009 pela Fundação Universidade de Tocantins (Unitins) sequer viu a cor do diploma por conta de uma deficiência no quadro de professores. Como indenização, a comarca da cidade condenou a universidade a pagar R$ 81 mil aos estudantes.

A ação movida contra a Unitins foi proposta pelo defensor público Marco Aurélio Saquetti. “Os acadêmicos alegam que estão perdendo oportunidades de emprego, sendo que alguns deles, por serem funcionários públicos, estão deixando de obter um acréscimo em seus vencimentos em razão da demora em concluir o curso”, ressalta.

Os 27 alunos se matricularam na Unitins no ano de 2006 e cursaram Serviço Social durante três anos e meio na modalidade à distância. O problema foi que ao término do curso, em junho de 2009, após pagarem as mensalidades, os estudantes não puderam se formar porque não haviam cumprido as disciplinas de estágio supervisionado I e II e a universidade não tinha docentes nessas matérias à disposição.

Além de condenar a universidade a pagar uma indenização aos estudantes, a Justiça estipulou um  prazo de 30 dias para que os estudantes pudessem cursar as disciplinas do estágio supervisionado I e II e ter acesso a todos os meios necessários para a colação de grau no curso superior.

“É mais que óbvio que a atitude da instituição é ilícita. O fato de impedir que os alunos concluam o curso e que, por causa disso deixem de almejar novas oportunidades, fica claro na negativa da UNITINS em ceder tais disciplinas. Além de abusiva, a prática dificulta o direito à educação”, reitera o defensor público.

 

Por: Ivone Lima

Pontaldoaraguaianews.com