14-05-2012-Delegada e auxiliar contam como escaparam de queda de helicóptero

Acidente causou a morte de oito pessoas em Goiás.
Vítimas investigavam chacina de 7 pessoas; autor dos crimes estava a bordo

Do G1, com informações do Fantástico

Ao menos duas pessoas escaparam do acidente que matou oito pessoas - três delegados, dois peritos da Pol´ciai Civil, um piloto, um copiloto e o principal suspeito de uma chacina que deixou sete mortos - após a queda de um helicóptero em Goiás: o tripulante operacional Claudio Teodoro e a delegada-geral Adriana Accorsi.

Eles contaram ao Fantástico como reagiram ao episódio.

Adriana comanda a investigação da chacina que ocorreu em Doverlândia, a 400 km de Goiânia, no dia 28 de abril. Na terça-feira (8), a equipe dela foi de helicóptero até a fazenda onde o crime aconteceu para uma reconstituição. A delegada ficou em Goiânia, onde teria uma reunião.

“Era importante que eu permanecesse aqui (em Goiânia) porque estávamos no meio de uma discussão salarial, uma negociação entre os delegados e o governo”, explicou.

Entraram no helicóptero os delegados Vinicius Batista, Jorge Moreira e Antonio Golçalves; dois peritos – os primos Marcel de Paula Oliveira e Fabiano de Paula Silva – e Aparecido Souza Alves, o principal acusado do crime em Doverlândia. No comando da aeronave estavam o piloto Oswalmir Carrasco e o copiloto Bruno Carneiro, também delegados.

Um tripulante não embarcou: Claudio Teodoro, que auxilia os pilotos. “Não foi possível eu ir porque a lotação já estava feita”, disse.

Claudio ficou com a tarefa de ajudar no reabastecimento. Ele foi por terra até um ponto de encontro: o município de Piranhas, a 300 km da capital.

A reconstituição do crime começou às 9h30. No meio da tarde, o piloto Oswalmir ligou para Claudio para avisar que o trabalho havia acabado e o grupo estava voltando. Segundo o auxiliar, ele disse “garoto, vamos embora, moleque. Daqui a 20 minutos cravados eu estou aí”. Mas o helicóptero não apareceu.

“Infelizmente foram os 20 minutos mais longos da vida da gente”, desabafou o auxiliar de pilotos. “Havia uma ligação de que um helicóptero da Polícia Civil tinha caído perto da cidade de Piranhas. Naquele momento eu soube que era verdade, porque ninguém faria uma brincadeira assim”, afirmou Cláudio.

Na sexta-feira (11), Claudio Teodoro carregou o caixão do chefe. A delegada-geral do estado de Goiás, Adriana Accorsi, participou de sete enterros de colegas em três dias.

O que aconteceu no ar ainda é um mistério. O helicóptero decolou de Doverlândia e voou por dez minutos. Em um determinado ponto, interrompeu a trajetória e girou antes de cair, segundo testemunhas.

Os corpos dos policiais foram enterrados ao longo da semana passada, com a homenagem dos colegas e da população. O sepultamento de Aparecido ocorreu na manhã deste domingo (13), no cemitério de Caiapônia, a 334 km de Goiânia.

Psicopata
O principal suspeito do crime em Doverlândia, Aparecido Souza Alves, tinha 23 anos, era garçom e sem passagens criminais. Em depoimento, confessou ter assassinado as sete pessoas na fazenda, com cortes profundos no pescoço.

Ele só saiu da cadeia para cumprir dois compromissos: para fazer a reconstituição da chacina que aconteceu no interior do estado e para ir até um prédio conversar com o psicólogo criminal, Leonardo Faria. Foram dois encontros dentro de uma sala. Mais de sete horas de conversa.

Faria, que há oito anos traça o perfil psicológico de criminosos, ainda não havia concluído a análise de Aparecido. Mesmo assim, pôde perceber que “os traços são bem consistentes de um perfil psicológico de um psicopata”.

Análises prévias apontaram que Aparecido tinha “dificuldade de lidar com sentimento de culpa, ausência de remorso, desprezo pelo outro, manipulador”.

Nas conversas com o psicólogo, ele não revelou o motivo dos assassinatos – só descreveu o que havia feito sem qualquer emoção. “Extremamente racional e objetivo naquilo. Agiu em função do próprio prazer, muito egocêntrico e narcísico. Ele demonstrava um certo poder no relato. A forma de se portar, os ombros, a cabeça, o olhar dele demonstrava assim: ‘eu tenho poder para fazer as coisas’”, disse o psicólogo criminal.

Investigação do acidente
Em um primeiro momento, houve a suspeita de que Aparecido teria, de algum modo, causado a queda do helicóptero. Mas uma imagem cedida pelo fabricante da aeronave mostra que ele teria dificuldade para atacar os pilotos – só uma pequena abertura liga a cabine da tripulação à dos passageiros.

“O preso estava imobilizado, sentado com um cinto de três pontas, algemado nos pés e nas mãos. Não havia a menor possibilidade de ele interferir no voo”, assegurou o secretário de Segurança de Goiás, João Furtado Neto.

A Aeronáutica abriu investigação. Uma das hipóteses é a de falha na manutenção. No dia 4 de maio, o helicóptero entrou em revisão na Fênix Manutenção de Aeronaves. Foi liberado no dia 7, um dia antes do acidente.

Mas a Fênix estava proibida de funcionar. Teve as atividades suspensas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) no dia 2. Segundo a agência, havia problemas com peças, ferramentas e com o treinamento dos mecânicos.

“Temos consciência de tudo o que fazemos. Somos profissionais na área. Tudo vai ser esclarecido com o passar do tempo”, afirmou o representante da empresa, Assumar Conceição

Outras possibilidades são falha do piloto e defeito no helicóptero.

O fabricante enviou um técnico a Goiás e afirmou que, por enquanto, é prematuro especular sobre as causas.

A investigação da chacina também continua, com novos delegados. Adriana e Claudio escaparam da morte, mas os últimos dias têm sido difíceis. “Pensamento que fica é se eles sofreram, se eles se assustaram”, comenta Adriana. “É um sentimento de assistir ao próprio velório”, define Claudio. “Ele dizia assim: ‘Claudinho, voar é fantástico. Mas pairar é divino’. Nesse momento ele deve estar pairando e admirando tudo que é divino por aí”, conclui Claudio