14-01-2012-Ministério financiará este ano 50 ambulâncias para cobrir todo MT.

Da Reportagem Local - Renê Dióz / Da Redação - Julia Munhoz

 

O Governo do Estado acertou na tarde desta sexta-feira (13/01) junto com o Ministério da Saúde a implantação de um programa do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para cobrir 100% do território mato-grossense. A previsão do Ministério da Saúde é de que cerca de 50 ambulâncias sejam financiadas até o final deste ano para a implementação do programa no Estado.

O objetivo da parceria é que o Samu possa cobrir todas as cidades de Mato Grosso. Além das ambulâncias, a expectativa é de que pelo menos R$ 5 milhões sejam investidos para a construção de uma Central Única do Samu.

O anuncio foi feito pelo representante de atenção à Saúde do Ministério, Helvécio Magalhães. Ele esteve em Cuiabá nesta sexta-feira para vistorias as unidades de saúde da capital mato-grossense. Ele confirmou os investimentos em ambulâncias durante coletiva no Hospital Metropolitano, em Várzea Grande.

O projeto de cobertura integral do território com o SAMU é pioneiro, segundo Magalhães, e o governo federal se interessou devido à posição estratégica de Mato Grosso.

“É muito estratégico do ponto de vista do desenvolvimento, por ser fronteira e por ter uma população dispersa”, pontuou.

Além das ambulâncias em todo o território do Estado, Magalhães enfatizou o empenho do governo federal em aplicar os R$ 50 milhões oriundos de emenda conjunta na Câmara dos Deputados em reformas e equipamentos para o atendimento em Mato Grosso.

Em seguida, assegurou que o Ministério tem reservados pelo menos R$ 3 milhões para investir na estrutura dos Prontos Socorros de Cuiabá e Várzea Grande este ano, sem contar uma previsão de quantia superior a R$ 100 milhões anuais, daqui para frente, voltada ao custeio da estrutura de urgência e emergência.

Teto financeiro

Provocado pelo deputado federal Pedro Henry (PP), que recentemente ocupou a secretaria estadual de Saúde e que em breve deve voltar ao cargo, Magalhães afirmou que o Ministério da Saúde também prevê elevar o teto financeiro de Mato Grosso.

Após o comentário de Henry de que o teto local era inferior ao do vizinho Mato Grosso do Sul – o que restringir o potencial de investimento na estrutura de saúde – Magalhães afirmou que o governo federal aguarda projetos para a área a fim de justificar o aumento do teto.