12-01-2012-Vendas somam novo recorde

No ano passado, Mato Grosso comercializou US$ 10,91 bilhões
em produtos do ‘agro’, cifras jamais registradas no segmento

 

MARIANNA PERES
Da Editoria

As exportações mato-grossenses de produtos agropecuários somaram US$ 10,91 bilhões no ano passado e atingiram novo recorde neste segmento. O saldo é 31,5% acima do contabilizado em 2010 quando a receita atingiu US$ 8,30 bilhões. O desempenho estadual supera o nacional, cuja expansão anual – também recordista - foi de 23,75%, ao obter US$ 94,59 bilhões, ante US$ 76,43 bilhões no ano anterior.

Com o avanço na receita, Mato Grosso passou a responder por 11,54% do total nacional, ante uma participação de 10,86% registrada em 2010. As informações foram divulgadas ontem, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Mesmo com a evolução nas vendas de grãos e carne - o que gerou maiores divisas no decorrer de 2011 - Mato Grosso manteve a quarta posição do ranking entre os maiores exportadores nacionais, colocação que assegura desde 2010. O estado de São Paulo lidera as exportações do segmento com US$ 21,49 bilhões, seguido do Paraná (US$ 12,62 bilhões), do Rio Grande do Sul (US$ 12 bilhões) e de Mato Grosso, com US$ 10,91 bilhões. Quase 100% dos embarques realizados pelo Estado são de produtos originados no campo.

Dos US$ 10,91 bilhões em exportações, mais de 58% foram gerados com os embarques de produtos do complexo soja (grão, farelo e óleo). O complexo somou receita de US$ 6,87 bilhões, alta de 34,46% sobre o resultado de 2010, US$ 5,11 bilhões. A evolução do segmento se deu mais por força do mercado, com os bons preços às commodities, do que por elevação da demanda, volume físico. Esse último passou de 13,40 milhões de toneladas para 14,18 milhões de toneladas. A maior parte das vendas do complexo foi de soja em grão – produto preferido pelo maior importador mundial, a China – cujo volume físico passou de 8,65 milhões de toneladas em 2010 para 9,67 milhões no ano passado e em receita atingiu US$ 4,77 bilhões ante US$ 3,28 bilhões na comparação entre os períodos, incremento de 45%.

No ano passado, por exemplo, a China importou pouco mais de 22 milhões de toneladas, ante 19,06 milhões de toneladas em 2010. Os embarques atuais deste, que é o maior parceiro comercial do Brasil e de Mato Grosso, equivalem a toda a soja produzida no Estado na safra 2010/11. Com esse apetite, a China ampliou em mais de 53% o valor dos negócios realizados no país no ano passado em relação a 2010. As compras deixaram no Brasil receita de US$ 11,72 bilhões ante US$ 10,95 bilhões.

PAUTA MT – Depois do complexo soja, o milho foi a cultura de maior peso nas exportações estaduais do ano passado. As vendas do grão geraram receita 25% superior ao registrado em 2010. Conforme dados do Mapa, foram US$ 1,68 bilhão ante US$ 1,34 bilhão e diferente da soja em grão, o volume de milho embarcado caiu, de 6,82 milhões de toneladas para 6,08 milhões, uma prova de que a alta sobre as cotações foi mais do que suficiente para driblar a redução do volume físico em 10,8% e ainda ampliar em 25% a receita.

Na terceira posição de destaque da pauta mato-grossense está o complexo carnes (aves, suínos e bovinos). As exportações somaram em 2011, US$ 1,36 bilhão, incremento de 22,38% sobre o ano anterior, US$ 1,11 bilhão. As carnes também sofreram impacto das altas do mercado, pois o volume embarcado ampliou bem abaixo da receita de 391 mil toneladas para 411 mil toneladas. Entre os cortes mais valorizados estão as aves. Os negócios passaram de US$ 297,68 milhões para US$ 438,11 milhões e o volume físico de 170,77 mil toneladas para 213,26 mil toneladas. Os cortes bovinos somaram vendas de US$ 871,08 milhões, 18,58% acima dos US$ 734,59 milhões de 2010. O volume físico passou a 190,78 mil toneladas ante 178,49 mil.

O destaque negativo do complexo carnes são os suínos que em função do embargo russo em vigor desde junho do ano passado amargaram um ano ruim. A receita caiu 49%, de US$ 72,85 milhões em 2010 para US$ 37,16 milhões no ano passado. Os embarques foram reduzidos à metade: de 26,23 mil toneladas para 13,94 mil.

Outra cultura que ganhou força em 2011 e seguiu embalada pelo bom momento do mercado foi o açúcar. Mato Grosso faturou 115% a mais com as vendas que passaram de US$ 7,68 milhões para US$ 16,57 milhões. Deste total exportador, US$ 13,45 milhões foram gerados por meio das vendas de açúcar refinado.

BRASIL – Assim como no Estado, destaca o Mapa, os produtos do complexo soja foram os que mais contribuíram para o crescimento nas vendas externas e os que registraram o maior valor de exportação para o Brasil. Complexo sucroalcooleiro e carnes também se destacaram nas exportações. Os principais destinos dos embarques de produtos nacionais foram os mercados da União Europeia, China, Estados Unidos, Rússia e Japão. (Veja na página C2)