11-09-17- Dois deputados mandavam irmãs receber propinas no Paiaguás

11-09-17- Dois deputados mandavam irmãs receber propinas no Paiaguás

Português e Sebastião Rezende também iam buscar o dinheiro

 

CARLOS DORILEO 
Folha Max da Redação

 

O ex-chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa, Silvio César Correa Araújo, informou em sua delação premiada a Procuradoria Geral da República que o deputado estadual Sebastião Rezende (PSC) e o ex-deputado Airton Português (PSD) mandavam as suas irmãs buscarem propinas em seu gabinete. Os valores eram repassados por empreiteiras referente as obras do programa MT Integrado.

Silvio revelou que cada parlamentar da legislatura passada recebeu o valor total de R$ 600 mil, que foram pagos em forma de “mensalinhos” de R$ 50 mil ao mês. Ele também conta que os próprios parlamentares iam buscar o dinheiro pessoalmente, sendo que vários deles chegaram a ser filmado.

Porém, segundo o ex-chefe de gabinete, tanto Rezende, quanto Airton Português encaminhavam emissários para receberem os valores. As irmãs deles eram incumbidas de recolher o “mensalinho”. “A maioria desses pagamentos foram feitos diretamente aos deputados estaduais, que iam pessoalmente ao gabinete do declarante na governadoria, sendo que se recorda que somente o deputado Sebastião Rezende em algumas vezes encaminhou sua irmã para receber seu pagamento, bem como o deputado Airton Português, que em uma ocasião também determinou que sua irmã de nome Vanice fosse buscar seu pagamento junto ao declarante no palácio do governo”, diz trecho da delação.

Vanice a quem Sílvio se refere é a ex-secretário de Turismo do Estado, Vanice Marques. “Português”, inclusive, foi filmado com a irmã recebendo dinheiro de Silvio Correa. 

Além dos dois deputados, Silvio disse que em suas planilhas de pagamento haviam outros 21 parlamentares que recebiam propinas do referido programa entre 2011 e 2014. São eles: Pedro Satélite (PSD), Dilmar Dal'Bosco (DEM), Ezequiel Fonseca (PP), Emanuel Pinheiro (PMDB), Hermínio J. Barreto (PR), Wagner Ramos (PSB), João Malheiros (PR), José Domingos (PSD), José Riva (à época, do PSD), Baiano Filho (PSDB), Mauro Savi (PSB), Romoaldo Júnior (PMDB), Walter Rabelo (PSD), Alexandre César (PT), Ondanir Bortolini, o Nininho (PSD), Luiz Marinho Botelho (PTB), Carlos Antônio Azambuja (PP), Luciane Bezerra (PSB), Teté Bezerra (PMDB), Ademir Brunetto (PT) e Gilmar Fabris (PSD).

Uma das planilhas contendo os nomes e pagamentos a 19 deputados foi entregue por Silvio a Procuradoria-Geral da República (PGR).