06-09-2011-Viaturas e armas começam a ser recolhidas, estagiários são convocados e Silval viaja.

Redação
PlantãoNews

Após a decisão do governador Silval Barbosa, na última sexta-feira, que determinou o recolhimento de armas e viaturas da Polícia Civil, caso a greve de investigadores e escrivães não tivesse um fim, a diretoria da Polícia Civil em Mato Grosso acatou a ordem do chefe do Estado e editou, no mesmo dia, três portarias, dando cumprimento às medidas.  

A primeira Portaria de nº 282/2011, assinada pelo Corregedor Geral da Polícia Civil, Gilmar dias Carneiro, determina o recolhimento de todas as viaturas policiais caracterizadas e descaracterizadas nos pátios das unidades policiais, ficando as chaves retidas com o delegado de polícia responsável pela unidade. A Portaria também determina que os delegados responsáveis pelas unidades de todo o Estado recolham as armas de fogo acauteladas aos servidores grevistas. A portaria é válida para o Estado de Mato Grosso.

A segunda Portaria nº 002/2011, da Academia da Polícia Judiciária Civil, coloca à disposição, em regime de plantão de 12/48 horas, com direito compensatório ao estágio supervisionado, os alunos da Acadepol, que deverão se apresentar às 18h30, nas unidades policiais a partir desta sexta-feira, 02 de setembro.

Vinte e nove equipes do curso de formação técnico-profissional foram escaladas para atuarem nos plantões de Cuiabá e Várzea Grande, devendo exercer apenas o serviço administrativo, de registros de ocorrências, elaboração de autos e atendimento ao público. Os alunos não deverão exercer atividades externas e nem a utilização de abordagem e condução de presos, suspeitos e uso de arma de fogo.

A terceira Portaria, nº 52/2011, da Diretoria Geral da Polícia Civil, institui escala de delegados para reforços nos plantões de Cuiabá e Várzea Grande, com objetivo de não haver interrupção dos trabalhos de elaboração de autos de prisão em flagrante e termos circunstanciados de ocorrência. A primeira escala é destinada aos dias 02, 03, 04 e 05 de setembro.

Em meio a crise da Polícia Civil de Mato Grosso, o quadro tende a se ampliar afetando a categoria de delegados. Dois deles já se manifestaram contrários à direção da PC a cargo do delegado Paulo Vilela.

Na semana passada, o delegado João Bosco, que havia assumido a delegacia de Roubos e Furtos de Cuiabá acabou sendo transferido para o pacato município de Acorizal (cerca de 50 km de Cuiabá) depois de ter pedido - durante uma entrevista - que o governo tivesse bom senso para resolver a greve da Polícia Civil. Ao saber da decisão, Bosco manifestou críticas diretas a Paulo Vilela. Em seguida foi a vez do também delegado metropolitano, Clocy Hugueney que pediu exoneração do cargo de Conselheiro na direção da Polícia Judiciária Civil, também como resposta ao remanejamento do delegado João Bosco.

Em meio a tantos problemas, o governador Silval Barbosa ingnorando o quadro de violência no estado viajou para o estado do Pará, numa comitiva intitulado Projeto Integração, levando consigo o Comandante Geral da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel Farias.

 

Publicação: Ivone Lima

Pontaldoaraguaianews.com

COMENTÁRIOS

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário